www.guajarahoje.com.br
Servidores da Educação, Polícia Civil e da Saúde paralisam atividades em Guajará-Mirim. Reviewed by Momizat on . Os servidores estaduais do Sindsaúde (servidores da saúde), Sintero (educação), Sinsepol (Polícia Civil), em Guajará-Mirim, paralisaram as atividades por 72 hor Os servidores estaduais do Sindsaúde (servidores da saúde), Sintero (educação), Sinsepol (Polícia Civil), em Guajará-Mirim, paralisaram as atividades por 72 hor Rating: 0
Você está aqui:Home » Notícias » Servidores da Educação, Polícia Civil e da Saúde paralisam atividades em Guajará-Mirim.

Servidores da Educação, Polícia Civil e da Saúde paralisam atividades em Guajará-Mirim.

Os servidores estaduais do Sindsaúde (servidores da saúde), Sintero (educação), Sinsepol (Polícia Civil), em Guajará-Mirim, paralisaram as atividades por 72 horas.  A concentração está acontecendo na Sede do Sintero.

O movimento é um protesto do funcionalismo público estadual contra a falta de política salarial, o descaso do governo com o serviço público e a falta de condições de trabalho.

PicsArt_1426777044933De acordo com os presidentes e diretores dos sindicatos, as categorias estão muito insatisfeitas com o tratamento que vêm recebendo do governo, e revoltadas com a defasagem salarial e a falta de respostas às respectivas pautas de reivindicações.

A representante do Sintero em Guajará-Mirim, Marileth Soares Deniz disse que na educação a revolta maior é porque o governador Confúcio Moura não cumpre suas promessas e seus compromissos firmados com os servidores. “Ainda na greve de 2013 o governo assinou documento se comprometendo a conceder reajuste de 6% em janeiro de 2015, mas não cumpriu, alegando impossibilidade pela Lei de Responsabilidade Fiscal”, destacou.

O movimento paredista teve adesão de mais de 95% nas escolas da Rede Estadual de Ensino. Grande parte dos alunos decidiu aderir a paralisação em apoio aos professores e demais servidores. A maioria das Escolas, no primeiro dia do movimento, esteve sem aula e a previsão é que continue assim até sexta-feira.

Na Polícia Civil a história não é diferente. O presidente do Sinsepol, Jales Moreira, disse que os servidores da Polícia Civil nunca estiveram em situação tão ruim na administração estadual. “Os servidores que fazem a segurança pública deste Estado estão no fundo do poço e nunca foram tão prejudicados pelo governo. Esse governo não cumpre nem o acordo judicial, firmado em audiência no Tribunal de Justiça. Hoje os servidores possuem os piores salários de todos os tempos e não têm condições de trabalho”.

Na delegacia de Polícia Civil de Guajará-Mirim a faixa alerta sobre a paralisação. Somente os casos mais graves e que resultarem em flagrantes estão sendo atendidos.

A história tem se repetido nas demais categorias de servidores públicos do Estado. A previsão é que nesta quinta-feira, 19, mais categorias venham a aderir a paralisação, que vai até sexta-feira. O primeiro dia da paralisação foi marcado por uma grande assembleia realizada na sede do Sintero, na tarde desta quarta-feira (18). Apesar do dia chuvoso, muitos servidores e alunos estiveram presente. 

Com relação a segurança, somente a Polícia Militar estará atendendo até sexta-feira.

Veja mais fotos da paralisação:

Fonte: Estação News

Sobre o autor

Número de entradas : 3478

Deixe um comentário

Todos os direitos reservados a GuajaraHoje

Voltar para o topo