www.guajarahoje.com.br
Prédio da Receita Federal danificado pela enchente continua interditado em Guajará-Mirim Reviewed by Momizat on . [caption id="attachment_947" align="aligncenter" width="640"] Prédio onde funcionava a alfândega da Receita Federal[/caption] A cheia histórica do rio Mamoré em [caption id="attachment_947" align="aligncenter" width="640"] Prédio onde funcionava a alfândega da Receita Federal[/caption] A cheia histórica do rio Mamoré em Rating: 0
Você está aqui:Home » Notícias » Prédio da Receita Federal danificado pela enchente continua interditado em Guajará-Mirim

Prédio da Receita Federal danificado pela enchente continua interditado em Guajará-Mirim

SONY DSC

Prédio onde funcionava a alfândega da Receita Federal

A cheia histórica do rio Mamoré em 2014, causou estragos e prejuízos  para muita gente em Guajará-Mirim. Dezenas de famílias perderam seus bens, inclusive casas por causa da enchente.

gm_cheia

Parte do centro comercial de Guajará-Mirim

O estrago causado pela enchente foi além disso. Pontos comerciais e órgãos públicos também foram atingidos. É o caso do prédio da Receita Federal, onde funcionava a alfândega, que ficou com sua estrutura comprometida por causa da alagação.  O corpo de bombeiros interditou o  imóvel,  até que o mesmo passe por uma reforma geral.

????????De acordo com o  inspetor chefe da Receita Federal em Guajará-Mirim, Gleison Cardoso de Lima, a  Superitendência da Receita Federal, que fica em Belém, já foi acionada.  Os engenheiros e técnicos já estiveram em Guajará-Mirim e realizaram os levantamentos e laudos necessários para a reforma do prédio.  Gleidson, garante que o processo licitatório da obra já está em andamento, mas por enquanto não existe nenhuma previsão para o início dos trabalhos  de reforma do prédio.

 Alfândega 

Para quem vai fazer compras na Bolívia, a cota é de 300 dólares. Além disso, o turista tem que se preocupar com a quantidade de produtos que vai trazer. No site da Receita Federal é possível encontrar orientações detalhadas.  Quem não cumprir a legislação e for pego em uma fiscalização de rotina, vai  ter a mercadoria apreendida.

O Inspetor da Receita Federal disse que, por enquanto, não há a fiscalização contínua no Porto Oficial. Mas quem fizer compras na Bolívia acima da cota permitida, deve  se dirigir a inspetoria da Receita Federal para regularizar a situação e evitar perdimento da mercadoria.

SONY DSC

Inspetoria da Receita Federal em Guajará-Mirim

 

Fonte: Estação News

Sobre o autor

Número de entradas : 3469

Deixe um comentário

Todos os direitos reservados a GuajaraHoje

Voltar para o topo